Mulheres, os números não mentem, a desigualdade permanece

Na Constituição brasileira, especificamente no Artigo 113, inciso 1, lemos: “todos são iguais perante a lei”. Aos olhos de Deus e penso que no coração Dele, todos nós, mulheres e homens, somos seus filhos e filhas sem distinção alguma. Sabemos, contudo, que tanto a Bíblia, quanto a carta magna deste país, sempre e por muito tempo foram interpretadas quase que exclusivamente por homens, pertencentes a uma sociedade patriarcal, culturalmente machista, que nega às mulheres muitos direitos concedidos aos homens.

Olhe para o lado e observe a sua mãe. Existiria o mundo sem a força desta mulher, sem o útero gerador da vida? A ela, foi depositada a responsabilidade e a graça de gerar, e mais, de assumir ao lado do homem, seu papel cidadã garantindo o bem estar a si e às futuras gerações. Agora, que cidadã é essa, que conta na maioria das vezes, com deveres, sem que seus direitos essenciais sejam reconhecidos? A cidadania plena consiste em direitos e deveres.

Em pleno século XXI, as mulheres ainda não são tratadas de forma igual aos homens. Falácia? Vamos aos números. Dados do IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, divulgados nesta manhã (08/03), informam que o rendimento médio do trabalhador de gênero masculino é de R$ 1.070,07, já as trabalhadoras possuem renda média de R$ 700,88, tendo em vista, que as mulheres estudam mais. São 7,6 anos de estudo para as mulheres e 7,2 anos de estudo para homens

Os números ainda apontam que 34,9% das famílias no Brasil são chefiadas por mulheres, que tem conseguido, graças à implementação de políticas públicas de fortalecimento de sua identidade, entrarem no mercado de trabalho. Mas isso não lhes tira a responsabilidade “natural”, pelo trabalho doméstico. Elas dedicam 23,9 horas por semana, às tarefas do lar, enquanto eles, destinam somente 9,7 horas por semana. 42,1% das mulheres empregadas no Brasil, trabalham em condições precárias, os homens são 26,2%. A taxa de desocupação segue com 5,2% para os homens e 9,6% para as mulheres.

No Brasil há 6,2 milhões de trabalhadoras domésticas, ou seja, 15,8% da população feminina, que possuem em média, renda mensal de R$ 350,77, cifra inferior ao salário mínimo. No campo, 28,5% das mulheres trabalhadoras não possuem rendimentos. Trabalho escravo? Exploração? Estes são dados econômicos e refletem diretamente na identidade e valorização da mulher brasileira, que luta contra a interpretação parcial de seu papel na sociedade, e ao lado do homem, quer acabar com esse impasse da humanidade pós-moderna: enfrentar a problemática da relação de gêneros definindo o lugar do homem e da mulher.

O lugar do homem deve ser ao lado da mulher, e o lugar da mulher deve ser ao lado do homem, ambos como cidadãos, que buscam seus direitos sem discriminação de raça e gênero.

Definir a importância e o papel da mulher na sociedade pós-moderna é como definir a mulher: simples e complexa. Requer um olhar. Olhe para o lado, veja a mãe que amamenta o filho, veja a menina que enfeita os cabelos, observe as senadoras, prefeitas, vereadoras, deputadas, governadoras, presidentas que enfrentam o machismo dos ternos e o pragmatismo das leis por eles criadas. Veja as enfermeiras, médicas, cabeleireiras, arquitetas, engenheiras, floristas, artesãs, biólogas, professoras, advogadas, jornalistas, são tantas as mulheres, tantos os sorrisos e formas de resistência.

Olhe para a cozinheira, para a lavadeira, para aquela que lava o seu chão, suas roupas, sua louça, para aquela que leva a Comunhão, o Pão, a Palavra, o amor, para aquela que te ama. As mulheres negras, missionárias, religiosas, indígenas, migrantes, campesinas, sem teto, sem terra, olhe para as pobres e excluídas, as não convencionais deste sistema, as gordas, as magras, as ruivas e morenas, as que sustentam seus cachos, e quebram os quadris na da

nça do dia-a-dia. São tantas as mulheres, a resposta está em cada uma delas. No silêncio e no grito, no riso e na lágrima.

Que no seio da Mãe Terra, brote a igualdade, fora a discriminação e o preconceito, que nós mulheres, saibamos reescrever a história da civilização, por um prisma mais humano, gerador de vida, verdade e paz.

Anúncios

3 Responses to “Mulheres, os números não mentem, a desigualdade permanece”


  1. 1 Jáder Santana março 8, 2010 às 17:23

    Excelente texto. Parabéns, pelo artigo e por ser mulher.

    Curtir

  2. 2 Nubia Gamboa março 10, 2010 às 10:57

    Estoy de acuerdo con Jader. Excelente me gusto mucho

    Curtir

  3. 3 franciele cristina agosto 23, 2013 às 22:42

    só acho que uma professora que batia em alunos não deveria ter sua foto publicada nesse artigo…

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




AQUI TEM…

Notícias sobre política(s), cinema, comportamento, culturas, meio ambiente, movimentos sociais, jornalismo, Brasil, América Latina e poesia.

O TEMPO PASSA…

março 2010
S T Q Q S S D
« fev   abr »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Clique para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email

Junte-se a 576 outros seguidores

RSS Adital – América Latina e Caribe

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS BBC Brasil.com


%d blogueiros gostam disto: