A construção da identidade negra

Em entrevista exclusiva ao Ká entre Nós, Edilson Marques da Silva Miranda, professor da Universidade Estadual Paulista (UNESP), autor de livros sobre a construção da identidade negra, fala da participação da mídia e da literatura na formação da autoimagem do povo negro. Destaca também o preconceito velado na sociedade brasileira.

Ká entre Nós: Por que ainda hoje, século 21, setores da sociedade brasileira permanecem (ainda que menos) classificando homens e mulheres negras como cidadãos de 2°categoria, ligados à pobreza e marginalidade? O senhor observa isso? Qual a origem dessa percepҫão?
Edilsom Marques: Sim. Infelizmente, esta continua sendo uma realidade em nosso meio. A população negra continua sendo vista como inferior. Varias literaturas ao longo do tempo tem reforçado esta ideia, de que os homens e mulheres negros são inferiores dentro da sociedade. A escravidão das pessoas oriundas do continente africano se deu com base na argumentação desta inferioridade. Mesmo após a abolição da escravatura no Brasil, ocorrida a pouco mais de 100 anos, não houve a desmistificação desta ideia. No processo de construção do Brasil, a presença africana foi fundamental, mas esta contribuição tem sido negada sistematicamente. A ideia que fica patente em nossa sociedade, é que as pessoas negras tem o seu lugar previamente delimitado dentro da sociedade, sempre aliado a pobreza, marginalidade e a ignorância.

Ká entre Nós: O senhor considera que a mídia seja também responsável pela manutenção dessa percepҫão? De que modo?
Edilsom Marques
: A mídia tem um papel fundamental para perpetuar a idéia de inferioridade da população negra. Nas novelas brasileiras, sempre tem reserva espaço para os atores e atrizes afro descendentes nos papeis de escravos e atividades subalternas. Em 1975 na novela Pecado Capital escrita pela Janete Clair, trouxe pela primeira vez um psiquiatra negro, interpretado pelo ator Milton Gonçalves. Nesta história, havia apenas um único personagem negro, totalmente desprovido de vínculos familiares. Vinte anos depois, em 1995, na novela “A Próxima Vítima”, escrita por Silvio de Abreu, pela primeira vez numa novela brasileira, é apresentado um família negra de classe média.

O pai era o ator Antonio Pitanga, a mãe a atriz Zezé Motta e uns dos filhos era o falecido ator Norton Nascimento.   Quase 10 anos depois, em 2004, a novela “Da Cor do Pecado”, escrita por João Emanuel Carneiro, traz como protagonista uma atriz negra, Tais Araujo. Ela desempenha um  clássico papel, onde a mulher negra sedutora  desestabiliza as relações e o casamento do casal branco.  As telenovelas, ultimamente, tem se preocupado em fazer o chamado “merchandising social”, onde defendem uma bandeira social.  Se empenham em mostrar o problemas e enfatizar as soluções. Já foi enfocado a questão da violência contra mulher, alcoolismo, doação de medula óssea, deficiências físicas e visuais, pedofilia, cleptomania, homossexualismo, gravidez psicológica, analfabetismo entre outros. Infelizmente, ainda não entrou na lista de prioridades da teledramaturgia brasileira o tema do racismo, mostrando o problema e dando ênfase nas soluções.

Ká entre Nós: Como em sua avaliação, a mídia afeta a imagem do afrodescendente no Brasil, e sua auto estima?
Edilsom Marques:  A mídia cria uma imagem de normalidade do país, dando uma idéia de quem é o brasileiro comum. Conforme o estereótipo reforçado pela mídia brasileira, os afro descendentes não fazem parte do perfil do brasileiro comum. É muito comum, uma criança negra se sentir um alienígena, porque ela não se vê representada em nenhum espaço na sociedade.

Nos livros didáticos tem total ausência de pessoas negras, e quando aparece, está ligada a escravidão e situações subalternas. Nas telenovelas ainda há pouca presença de personagens negros. É muito importante para os mais jovens se espelharem nas figuras de destaque dentro de uma sociedade, para que possam traçar seus objetivos e sentirem segurança nos espaços sociais que podem e devem ocupar. Ainda constitui-se a população negra no Brasil, cada vez mais ampliar os espaços de atuações. Mesmo o país, tendo uma população de mais de 50% de negros e pardos, ainda parece que a população negra é uma “estranha no ninho”, como se fosse uma legião de estrangeiros sem direito de gozar de plena cidadania dentro do seu próprio país. Mas, por outro lado, a história é dinâmica, e a cada dia novos desafios são enfrentados e superados. Ainda temos um longo caminho a ser percorrido, na reconstrução de uma auto imagem, cada vez mais positiva, dos afro descendentes no Brasil.

Anúncios

3 Responses to “A construção da identidade negra”


  1. 1 JR dezembro 6, 2011 às 0:11

    Olà!
    Todo meu apreço por seu trabalho.
    Parabéns pelo assunto tratado e pela forma digna em que você apresentou o ponto de vista de um pesquisador que parece competente. So fiquei com uma duvida sobre os termos “afro descendente” ou “afrodescendente”; na maioria das vezes, usou-se o vocàbulo .negro” ou “negra”. Quais serao os proximos aspectos abordados?

    Curtir

  2. 2 Www.Pinkybungalows.Com janeiro 15, 2017 às 17:28

    What i do not understood is actually how you’re not actually a lot more
    neatly-appreciated than you might be right now. You are so intelligent.
    You understand therefore considerably on the subject of this subject, made me for my part consider it from so many numerous angles.
    Its like women and men are not interested except it
    is something to do with Lady gaga! Your individual stuffs nice.

    All the time handle it up!

    Curtir

  3. 3 http://bintangwahyu.com/?option=com_k2&view=itemlist&task=user&id=155756 janeiro 15, 2017 às 19:40

    Thanks for finally talking about >A construção da identidade negra
    | Ká entre nós… <Liked it!

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




AQUI TEM…

Notícias sobre política(s), cinema, comportamento, culturas, meio ambiente, movimentos sociais, jornalismo, Brasil, América Latina e poesia.

O TEMPO PASSA…

novembro 2011
S T Q Q S S D
« out   dez »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Clique para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email

Junte-se a 569 outros seguidores

RSS Adital – América Latina e Caribe

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

RSS BBC Brasil.com


%d blogueiros gostam disto: