Folha de S. Paulo e a entrevista de Leonardo Boff não publicada

lboffLeonardo Boff, concedeu uma entrevista à jornalista Patricia Britto, da Folha de S. Paulo. O trabalho foi publicado dia 15 de fevereiro, às 05h30 e está disponível neste link com o título Igreja precisa de pontífice ‘mais pastor que professor’, diz Leonardo Boff.

Hoje, às 16h16, horário de Brasília, recebi uma longa entrevista do teólogo à disposição em meu e-mail. No início do documento consta a seguinte mensagem do próprio teólogo. “Dei generosamente uma entrevista à Folha de São Paulo que quase não aproveitou nada do que disse e escrevi. Então publico a entrevista inteira aqui no blog para reflexão e discussão entre os interessados pelas coisas da Igreja Católica. As perguntas foram reordenadas: Lboff”.

Aos interessados em ler a entrevista, ela está disponível no blog no teólogo. Aos leitores, vale lembrar que independentemente do teor da entrevista (e aqui não estou julgando o jornal, a réporter ou o entrevistado) é muito comum não serem publicadas entrevistas na íntegra, e os motivos são diversos e não se excluem (falta de vontade, interesse, espaço, tempo…).

Por ser Leonardo Boff e um tema que muito me interessa e penso que também aos leitores do Ká entre Nós, reforço o convite à leitura aqui.

A dor das Silva

2012-12-05 17.00.04“A morte de um filho não tem uma palavra que a nomeie. É inominável, não tem explicação e não tem naturalidade, posto que o natural é os filhos enterrarem seus pais. O oposto é algo por demais perverso”, afirmou o pediatra Leonardo Posternak a Revista pais filhos ao relembrar a morte de seu filho.

Para falar dessa dor, em dezembro de 2012, corri por São Paulo atrás de duas mulheres que de maneira distintas perderam seus filhos um na bala, como dizem, outra no vento, um desaparecimento.

Minhas entrevistadas para a Revista Família Cristã de janeiro são : Débora e Ivanise. Ambas carregam o Silva no nome, ambas carregam a coragem na vida para encontrar algum tipo de resposta, justiça, acalento. Ambas trabalham para que a dor da morte e do desaparecimento não se repitam.

A reportagem está disponível no Blog da revista. maes de paz