“A borracha cega, mas não cala”

Sérgio Silva, atingido pela PM, enquanto cobria manifestações em 13 de junho
Sérgio Silva, atingido pela PM, enquanto cobria manifestações em SP

13 de junho de 2013 – As ruas de São Paulo estavam ocupadas. Ocupadas de manifestações contra o aumento das tarifas do transporte público, ocupadas de indignação e de imprensa.

Sérgio Silva, 31 anos, também ocupava as ruas fotografando, estava trabalhando, cobrindo as manifestações daquele 13 de junho. Foi atingido pela Polícia Militar, uma bala de borracha feriu seu olho esquerdo, o que diminui sua acuidade visual e poderá levá-lo à cegueira do olho esquerdo.

“Muitos outros companheiros da imprensa também foram atingidos enquanto estavam trabalhando, cumprindo o importante papel da imprensa para o aprofundamento da democracia. Sou testemunha de que cidadãos que protestavam pacificamente, ou simplesmente transeuntes voltando do trabalho, e que se depararam com a manifestação, também foram vítimas”, disse Sérgio que lidera um abaixo assiando na internet para proibir o uso de bala de borracha e gás de efeito moral contra manifestantes.

“Eu sei a dor que eu passei naquele dia, naquela noite, e é uma dor que eu não desejo nem para o policial que me acertou. Que ele não sinta nunca. Era vontade de querer morrer ali para não sentir mais a dor”. O desabafo de Sérgio foi registrado em vídeo pelo Sindicato dos Quimicos Unificados.

O abaixo assinado pode ser acessado, assinado e compartilhado aqui. A petição será entregue a Fernando Grella, Secretário de Segurança Pública; Geraldo Alckmin, governador de São Paulo; Edson Aparecido, Secretário da Casa Civil e Benedito Roberto Meira, Comandante Geral da Polícia Militar de São Paulo.

E você, já sofreu algum tipo de violência por parte da Polícia Militar enquanto se manifestava em sua cidade? Vote na enquete e compartilhe a situação aqu nos comentários, por uma Polícia Miltar mais preparada e uma sociedade mais democrática.

Protestos: para Haddad, vitória das ruas é política e não econômica

Sindicato dos Bancários
Foto: Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, concedeu ontem, dia 5, uma longa entrevista ao programa Contratempo. Nele, respondeu aos jornalistas e blogueiros Eduardo Guimarães, Paulo Henrique Amorim, Luiz Carlos Azenha e Altamiro Borges, sobre as consequências da diminuição da tarifa do transporte público e outros temas sociais.

Questionado por Paulo Amorim sobre a caixa Preta dos Transportes, o prefeito disse que irá abrir às últimas consequências e ainda que irá acabar com a taxa de inspeção veicular e criar o bilhete único mensal, ambas foram promessas de campanha. Sobre o Movimento Passe Livre, o prefeito garantiu que a vitória foi mais política do que econômica para os trabalhadores.

Haddad também respondeu quanto à sua aparição apática junto ao governador Geraldo Alckmin, dia 19 de junho, no Palácio dos Bandeirantes, para o anúncio da redução dos preços das tarifas de ônibus, metrô e trens metropolitanos. “O que estava em jogo num plano mais elevado na minha opinião é o interesse da cidade. Eu não vou ser desleal do ponto de vista político, quando eu sei que o governador atendeu um pedido federal, tanto quanto eu”.

Haddad também falou sobre a situação da população que reside aos arredores do estádio do Corinthians, na zona leste, sobre reassentamentos, democratização da comunicação, a construção do aeroporto de Parelheiros, entrega de uniformes aos estudantes em escolas municipais entre outros temas.

O programa Contratempo é uma iniciativa do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região em parceria com blogueiros, foi ao ar pela primeira vez nessa segunda-feira com a mediação da presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira.

Jovens buscam um novo jeito de fazer política

2013-06-17 18.52.01Na esteira das manifestações sociais e religiosas que ocuparam as ruas do Brasil nos últimos meses, apresento uma breve entrevista que fiz, em 2011, com Fernando Altemeyer Júnior, doutor em ciências sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. A avaliação de Altemeyer é pertinente para o momento em que vive o país.

Ká entre Nós:  Poderíamos afirmar que as manifetações juvenis hoje, são mais de cunho pessoal, do que coletivo? por quê?
Fernando Altemeyer: É um padrão que não resiste à crítica dizer que os jovens de hoje são menos articulados e utopicos que os de ontem. O que há é uma imensa mutação de quadros simbólicos e de aprojeção cultural. Os jovens não são mais nem menos “coletivos” que os de maio de 1968 ou os “caras-pintadas” da década de 1990. São coletivamente diferentes.
Há manifestações juvenis eclodindo em todos os níveis: pessoais, afetivos, coletivos, articuladas, individualizadas, virtuais, libertadoras e miméticas ou ainda até alienadas e fundamentalistas. A capacidade polivalente dos jovens em dizer suas palavras, seus medos e suas esperanças se exprime de formas variadas (mauitas alegres e outras patéticas e plenas de sofrimento). A grande questão é se há interprétes para compreender esta “música” que por eles é produzida e difundida pelos quatro cantos do planeta. E sabendo ouvir, saber também dialogar. Ser ou não ser: eis a questão!

Ká entre Nós: Por quê o jovem, na grande maioria, não se filia mais a partidos políticos?
Fernando Altemeyer: Me arrisco a comentar sua afirmação assumindo que a participação juvenil em instituições formais tem diminuido. Penso que seja verdadeira esta desfiliação ou não-filiação, pois isto indicaria que os jovens preferem participar ativamente da sociedade civil, mais que da organização partidária, pois ela está viciada pelo poder e por mecanismos de manutenção de privilégios.
Muitos partidos não tem ajudado a forjar a democracia de forma clara e transparente. O que vemos é gente boa metida em máquinas velhas com resultados pífios. Alguns conseguem algo, mas outros são engolidos e manipulados. E ainda há as velhas raposas que querem manter a injustiça e a segregação de classe e raça em nosso país. É a velha e recorrente oligarquia que muda de partido mas não muda de prática corrupta e oportunista. Serve-se do Estado e dos bens públicos e não se fez servidor e funcionário do povo.
Talvez seja isso aquilo que afaste. Esta falta de ética e de visão utópica. Os jovens percebem que não há exemplos claros de valores. Fala-se muito e faz-se pouco ou nada. Jovem quer testemunho, beleza e festa. Haverá esta matéria prima onde? Nos partidos, com certeza, há grave carência. Penso que muitos jovens tem buscado alternativas para construir relações novas em favor de um outro mundo possível.  É esta sede que devemos alimentar e fomentar.