Conto de Maria, a mãe dos pobres

blog FC _ redacaoAinda não comprei minha agenda de 2013. Até porque estou fazendo a tal retrospectiva, o balanço geral de 2012. Entre tantos temas abordados e por que não vividos, que viraram reportagem, destaco agora um trabalho que fiz para a revista Família Cristã. A personagem revelada é Maria Eulina Hilsenbeck, uma mulher que saiu das ruas e para ela voltou pra distribuir comida, oportunidade, dignidade, sorriso e carinho, carinho de mãe.

Maria trabalha em um castelo no centro de São Paulo, e caso este texto não fosse por mim escrito, eu diria que esta história se tratava de um conto de fadas, ainda sem ponto final. Dúvida? Acompanhe esse conto real no Blog da Redação da Revista Família Cristã.

Usuária de crack pede ajuda para viver

A cigana Eliane Ferreira de Sena tem 34 anos e precisa de ajuda. Sentada na calçada da rua Helvétia, durante o “churrascão”, chorava. “Olha, tem gente aqui preocupada comigo, com a gente. Esses dias têm sido muito difíceis, corro pra não apanhar da polícia”, contou à reportagem.

Natural de Jaú, a cerca de 300 quilômetros da capital, Eliane conta que já se prostituiu e roubou para  manter o vício. Tem quatro filhos e três netos, de seu marido não tem notícias. “Ele fumou tudo o que a gente tinha, não sei onde está”. Usuária de crack há 23 anos, Eliane pede ajuda. “Eu quero que me levem daqui, quero ir para Jaú, mas não tenho dinheiro para a passagem. Se eu chegar lá, eu paro de usar drogas. Lá tenho meus filhos, tenho carinho, minha mãe”. Eliane disse que já buscou ajuda nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) do centro, mas sem sucesso. “Não adianta ficar em albergue por aqui não, a gente fica do lado da droga e aí, é muito difícil resistir”. A cigana confirma estatística da Universidade Federal de São Paulo, que aponta: 47% dos usuários da região, que somam 11.279, querem tratamento.

De onde vem a droga?

Segundo a Secretaria Nacional anti Drogas, a droga sai do Peru, Colômbia e Bolívia como cocaína, entra no Brasil principalmente pelo estados do AC, AM, RR, MT e MS, desses estados é distribuída pelos traficantes há laboratórios clandestinos em SP, RJ, ES, PR e RS.

Em São Paulo, a cocaína chega como pasta, para virar pedra, é misturada ao bicarbonato de sódio e vendida por pequenos traficantes em toda a cidade. O preço da pedra na capital há anos varia de 5 a 20 reais, mas é possível encontrá-la por três.