Violência e censura aos jornalistas, pauta frequente pelo mundo…

Jornalistas são feitos reféns por traficantes em Paraisópolis, favela de São Paulo

Segundo o FolhaOnline, um repórter e uma fotógrafa free-lance que faziam reportagem em Paraisópolis, para uma revista de circulação nacional, foram mantidos reféns na noite do dia 24 por homens armados. O equipamento da fotógrafa foi roubado pelos homens que os mantiveram reféns por cerca de 40 minutos.

“Os jornalistas entraram na favela às 10h e passaram o dia circulando a pé. Ao anoitecer, apesar de o governo de São Paulo ter determinado no início deste mês uma ocupação por parte da Polícia Militar no local, os profissionais foram capturados”, diz a Folha. A identidade dos jornalistas não foi divulgada.

A libertação deles ocorreu quando os criminosos os colocaram em um carro e os levaram para um posto de gasolina, na avenida Giovanni Gronchi. Eles não sofreram violência física.

 

Violência com jornalistas

Divulgação

A ONG Sem Fronteiras  foi fundada em 1985 e tem por objetivo defender a liberdade de imprensa pelo mundo,  defendendo os jornalistas e colaboradores dos meios de comunicação que estão presos ou perseguidos por suas atividades profissionais, denunciando os maltratos e a tortura em que sofrem em muitos países.

 

A ONG luta para que acabe a censura e combate toda e qualquer forma de restrição à liberdade de imprensa. Trabalha pela melhoria da segurança dos jornalistas, especialmente em áreas de conflito.

 

Números da violência em 2008 

  • 60 jornalistas assassinados
  • 1 colaborador de meios de comunicação assassinado
  • 673 jornalistas detidos
  • 929 agredidos e maltratados
  • 353 meios de comunicação censurados 
  • 29 jornalistas seqüestrados

 Com relação à internet

  • 1 blogger assassinado
  • 59 bloggers detidos
  • 45 agredidos
  • 1740 sites de informação fechados ou suspensos

 

 fonte: Knight Center for Journalism